Oito motivos para incubar sua Startup | Inova Sorocaba

Notícias do Parque Tecnológico de Sorocaba

Oito motivos para incubar sua Startup

6 de janeiro de 2017
|

Seja por espírito empreendedor, vontade de se livrar do patrão ou por necessidade, o sonho do negócio próprio seduz milhares de pessoas a cada ano. Apenas em 2015, quase dois milhões de novas empresas foram abertas no Brasil, segundo levantamento da Serasa Experian – aumento de 4,5% em relação ao ano anterior. As facilidades para se abrir uma empresa como Microempreendedor Individual (MEI) ou a crise do modelo de emprego formal são alguns dos fatores apontados por especialistas para tal fenômeno. No entanto, a taxa de mortalidade de novos empreendimentos, apesar de sensível diminuição, ainda é alta no país: mais da metade das empresas fecham as portas em cinco anos de atividade, de acordo com pesquisa do Sebrae. “Como o empreendedorismo no Brasil está mais ligado à necessidade do que à oportunidade, vemos empresas e profissionais empreendendo de maneira precária, sem conhecimento, dinheiro ou estruturas necessárias para desenvolver negócios de maneira sustentável a longo prazo”, avalia Rodrigo Mendes, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Inova, agência que administra o Parque Tecnológico de Sorocaba (PTS). Incubadoras como a Hubiz, que funciona no PTS, apresentam números que vão na contramão destas estatísticas: a taxa de longevidade das empresas é de mais de 70% nos primeiros cinco anos de funcionamento. De acordo com Mendes, os bons resultados se devem às diversas vantagens que o ambiente das incubadoras oferece às empresas iniciantes. Mas alerta: “Existem diversos tipos de incubadoras, que se dedicam a uma vasta gama de modalidade de negócios. O simples fato de estar incubado não garante o sucesso da empresa, é muito importante escolher o ambiente mais adequado às necessidades de cada empreendimento”. A seguir, conheça oito motivos que podem incentivar a incubação de novas empresas.

1) Espaço físico – Para quem está começando, as dificuldades já se apresentam na hora de se estabelecer em um local adequado para as atividades. A ânsia sonhadora pode levar à megalomania e fazer com que a empresa se instale num imóvel maior do que o necessário e mais caro do que suas possibilidades, levando ao endividamento precoce –neste caso, com o aluguel – antes mesmo de o negócio começar a dar os primeiros passos. “Na maioria das vezes, o que o empreendedor iniciante precisa é apenas uma sala com internet. O coworking funciona muito bem neste momento. São espaços propícios ao desenvolvimento de novos negócios, com preços mais acessíveis. No Parque Tecnológico de Sorocaba, por exemplo, todo incubado começa neste espaço coletivo, com acesso também a uma sala de reuniões para receber clientes e investidores. Na medida em que a necessidade se apresenta, ele pode ir para um espaço maior, para uma sala própria que dê conta das demandas crescentes”, explica Rodrigo Mendes.

2) Assessoria e consultoria – O empreendedor iniciante é, na maioria das vezes, um especialista em determinada área, que raramente tem conhecimento suficiente para dar atenção a todos os aspectos que envolvem o desenvolvimento e gerenciamento de uma empresa. “Entre nossos incubados, percebemos que muitos deles têm muita competência e criatividade para desenvolver os produtos e serviços, mas pouca experiência ou habilidade para venda ou captação de recursos, por exemplo. Este tipo de deficiência de capacitação é um dos principais motivos da mortalidade precoce dos empreendimentos”, afirma Mendes. No ambiente de incubação, as novas empresas recebem diversos tipos de assessoria, tais como financeira, gerencial, jurídica, contábil e de marketing, entre outras.

3) Infraestrutura – A simples contratação de uma pessoa para fazer a limpeza do escritório ou de serviço de internet e telefonia pode causar um rombo no orçamento de uma empresa que ainda não tenha um capital sólido o suficiente para dar conta das pequenas despesas do dia a dia. “No Ambiente da incubadora, o empreendedor tem acesso à uma infraestrutura pronta, com salas de reunião, telefonia, fax, acesso à internet, eletricidade, limpeza e segurança; sem precisar se preocupar com o custo disso tudo. Dá mais tranquilidade para pensar quase que exclusivamente no desenvolvimento e gerenciamento do negócio”, releva Mendes.

4) Financiamento – A relevância dos produtos e serviços oferecidos por uma empresa, nem mesmo a competência de seus gestores são suficientes para dar início a um empreendimento: ter dinheiro para começar, desenvolver e expandir os negócios é fundamental para a saúde e longevidade do empreendimento. “Dentro de uma incubadora, o empreendedor iniciante tem acesso facilitado ao financiamento e captação de recursos necessários para as diversas fases do desenvolvimento de uma empresa. As incubadoras costumam ter um vasto networking que conecta a empresa aos investidores e programas governamentais de financiamento”, explica Mendes.

5) Qualificação – Conforme explicado anteriormente, o empreendedor iniciante muitas vezes sabe tudo sobre técnicas e tecnologias necessárias para o desenvolvimento de seus produtos e serviços, mas nem sempre tem noções de gestão e outras habilidades imprescindíveis para levar a diante o empreendimento. Por isso, as incubadoras oferecem uma série de treinamentos, cursos e capacitações específicas, de acordo com as necessidades reais das empresas incubadas. “O empreendedor iniciante raramente tem condições de contratar um profissional ou montar uma equipe para cuidar do dia a dia da empresa. É provável que ele tenha que dar conta de diversas atividades que não fazem parte da formação dele. Para tanto, vai ter que se capacitar para diminuir a margem de erros que levam empresas a fechar as portas em menos de dois anos”, avalia Mendes.

6) Networking – Talvez esse seja o motivo mais importante para procurar o ambiente das incubadoras, que oferece conexão entre diversos atores de determinados setores, uma possibilidade de expansão de mercado e networking, que envolve empresas, universidades e governo, entre outros. “Com o conceito de economia colaborativa cada vez mais presente no mundo corporativo, empreendedores do mesmo ramo de negócios passam a ser vistos não apenas como concorrentes, mas como parceiros, trocando ideias e até dividindo despesas, combinando forças para se mostrarem mais competitivos diante do mercado. Além disso, a proximidade com universidades e poder público pode auxiliar muito no que diz respeito à pesquisa e captação de recursos”, diz Mendes.

7) Acompanhamento do projeto – “No mundo corporativo é fundamental saber quando dar o próximo passo”, alerta Rodrigo Mendes. “No Parque Tecnológico de Sorocaba, avaliamos periodicamente o crescimento de cada incubado e os orientamos em direção ao desenvolvimento sustentável da empresa, para que ele não dê passos além de suas possibilidades e nem se acomode numa zona de conforto”. O acompanhamento envolve processos de avaliação dos estágios em que se encontram cada projeto, e apoio específico para a continuidade nas próximas fases.

8) Projetos específicos das incubadoras – Outro fator importante para a formação de uma rede de contatos é o desenvolvimento de projetos específicos por parte das incubadoras. “São iniciativas que trazem novas oportunidades de negócio. Podem ocorrer por meio de encontros, eventos, feiras ou mesmo por meio grandes empresas de determinado setor que nos procuram e lançam um desafio entre as incubadas para o resolver e desenvolver uma nova solução tecnológica”, diz Mendes.