Câmara fotográfica pode auxiliar na cura do Alzheimer | Inova Sorocaba

Notícias em Destaque

Câmara fotográfica pode auxiliar na cura do Alzheimer

18 de maio de 2017
|

Fonte: Ciberia 

 

Universitários da Universidade de Coimbra (Portugal e de Leeds (Reino Unido), conseguiram montar uma câmera fotografia, intitulada SesenCam que pretende ajudar na melhoria da doença de Alzheimer.

Os estudos começaram em 2011, denominado “Estimulação da memória na doença de Alzheimer em fase inicial/O papel da SenseCam no funcionamento cognitivo e no bem-estar”.

Os cientistas informaram que esse o método como “complemento ao tratamento farmacológico” da doença, que é a “forma mais comum de demência”.

As pesquisas anteriores determinaram que a visualização de imagens pode estimular as zonas do cérebro e recomendaram como ferramenta para estimulação cognitiva na fase inicial da doença de Alzheimer.

No inicio do projeto, foi feito um estudo-piloto com 29 jovens e idosos saudáveis (15 jovens e 14 idosos) para testar os efeitos da SenseCam e poder analisar como o instrumento poderia ser útil para os pacientes, informaram os cientistas.

Após identificar os pontos positivos do método no funcionamento cognitivo global, os cientistas avançaram na pesquisa, com 51 idosos, sendo em sua maioria mulheres, que estavam em fase inicial do Alzheimer.

Os idosos, nas idades entre 60 a 80 anos, foram divididos em três grupos e foram estimulados de maneira cognitiva durante seis semanas.

Cada grupo foi tratado de uma maneira, um foi usado o SenseCam, outro foi estimulado pelo treino convencional como exercícios para memorização e associação nomes e o ultimo registrou todos os dias em um diário.

Os pesquisadores perceberam que durante a intervenção da SenseCam, ela foi mais eficaz em sentido cognitivo, diferente dos outros métodos, informou Ana Rita Silva, principal autora do estudo que será publicado na revista internacional Current Alzheimer.

Ao encerramento do estudo, a tese foi o resultado do doutorado de Ana Rita Silva e que reforçou a importância do desenvolvimento de intervenções não farmacológicas para os pacientes com Alzheimer na fase inicial.